Artigos relacionados

Na montra

capa-Alba.jpg

Foi no “Espaço Eça”, na Rua Direita, em Leiria, que Manuela Ribeiro apresentou, no dia 28 de Maio de 2016, o seu último livro, “História que há de ser”, com ilustrações de Nídia Nair. É um livro de 20 páginas, no formato 22x22, edição da Textiverso, de Leiria, e n.º 4 da colecção “Para os mais pequenos”.

A sessão teve a participação das duas autoras e ainda de uma terceira componente, a bailarina Inesa Markava. Esta e Nídia Nair iniciaram o momento cultural com uma pequena representação cénica, seguida de um passo de dança que, no final, envolveu a escritora e o seu boneco de neve, protagonista solitário da história.

O oitavo volume dos Cadernos de Estudos Leirienses foi lançado no dia 21 de Maio no auditório do Mosteiro da Batalha, numa parceria com este Mosteiro, com o Município da Batalha e com o CEPAE – Centro de Património da Estremadura. Com 560 páginas, este volume insere um caderno a cores e um grande destaque de 214 páginas com temas sobre o Mosteiro e concelho da Batalha. A edição deste monumental trabalho é da responsabilidade da editora Textiverso, de Leiria, e conta com a coordenação científica do historiador leiriense, Professor Saul António Gomes. Foi justamente este académico quem fez a apresentação geral do volume, deixando para o Mestre Pedro Redol, técnico superior do Mosteiro e seu ex-director, a apresentação específica dos 15 temas dedicados à Batalha. Intervieram ainda o Director do Mosteiro, Dr. Joaquim Ruivo, o Presidente do CEPAE, Eng. Micael Sousa, e o Presidente da Câmara Municipal da Batalha, Dr. Paulo Jorge Frazão Batista dos Santos.

O auditório da Biblioteca Municipal de Alcobaça acolheu, no dia 7 de Maio de 2016, mais uma sessão para o lançamento de um livro. Trata-se de “Estudos sobre o Mosteiro e coutos de Alcobaça”, da autoria de António Maduro e de Rui Rasquilho. Com 236 páginas, foi uma edição dos autores e da Textiverso, de Leiria, volume n.º 33 da colecção “Tempos & Vidas”. A apresentação foi feita pelos próprios autores.

O livro insere 13 estudos independentes, embora todos eles com o Mosteiro de Alcobaça e o seus antigos coutos em fundo. Sete deles são assinados por António Maduro, cinco por Rui Rasquilho e apenas um por ambos. Todos eles haviam sido já publicados em revistas da especialidade, pelo que a sua reunião em livro os torna mais acessíveis ao público, em particular aos menos especializados. Enquanto Rui Rasquilho, antigo director do Mosteiro, centra as suas atenções na estrutura do monumento e na história dos que lá viveram e ainda na preservação do património e nas igrejas paroquiais da vila, António Maduro, doutorado em História Contemporânea, orienta as suas investigações para as estruturas e vida rural dos coutos, detendo sobre o assunto conhecimentos vastos e específicos.

Um tanto fora do calendário habitual, foi apresentado no dia 30 de Abril de 2016, na Biblioteca Municipal de Leiria, o volume n.º 7 dos “Cadernos de Estudos Leirienses”, uma coedição da Textiverso e da Câmara Municipal de Leiria. Este volume, de apenas 208 páginas, é quase totalmente dedicado às comunicações apresentadas no colóquio “A glória do Esquecimento – 70 anos sobre a morte de Afonso Lopes Vieira”, realizado em Leiria em 26 de Janeiro último.

Dizemos quase porque, além dos textos das seis comunicações, o volume insere ainda uma “Apresentação” assinada por Raul Castro (Presidente da Câmara) e uma “Introdução” da Prof.ª Cristina Nobre, que foi também a coordenadora do volume. E ainda, em anexo, “A obra publicada (em volume e dispersos)” e o fac-simile do folheto de 36 páginas “Éclogas de agora”, ambos de Afonso Lopes Vieira. Encerra com “Breves notas biobibliográficas  sobre os ensaístas” e algumas fotografias do Colóquio.

Na livraria Arquivo (Leiria), cumpriu-se, no dia 12 de Março de 2016, o que fora anunciado em convite para a apresentação «As Mulheres», um poema inserido num postal ilustrado, ambos da autoria de Nídia Nair, com produção da Textiverso. Um momento breve e informal que permitiu despertar sentidos de alegria e cumplicidade.

Susana Neves, em nome da direcção, acolheu intervenientes e visitantes.

Pedro Moniz, depois de reunir os textos poéticos que foi produzindo e, na sua maioria, publicando na imprensa, decidiu juntá-los e organizar um livro, tentando com eles dar uma ideia da sua própria evolução e marcar momentos que de alguma forma são balizas da sua visão do mundo. Por isso lhes deu o nome lato de “Pérolas de Vida” – pelo seu valor, enquanto escrita poética, e pelo seu significado, enquanto mensagem generosa do seu exemplo de vida. O livro tem 86 páginas e foi produzido pela editora Textiverso.

O lançamento público foi no dia 12 de Março de 2016 e decorreu na sala de conferências da Fundação Caixa Agrícola de Leiria, com apresentação pelo escritor Luís Vieira da Mota e com leitura de poemas por Zaida Nunes. A sessão contou ainda com alguns momentos musicais em que intervieram a Escola de Música da Barreira, o Grupo de Jovens da Chaínça e Paulo Costa através de um vídeo com uma composição musical sua sobre um poema de Pedro Moniz. No final, Pedro Moniz ofereceu uma parte dos livros à ADESBA.

Recreio de memórias é o título do último livro do Dr. Fernando Manuel Brites, do Soutocico (Arrabal, Leiria). Tem 612 páginas, é uma edição restrita do autor e foi produzido pela editora Textiverso, de Leiria.

O lançamento deste extenso trabalho foi feito no Clube Recreativo e Desportivo do Soutocico (de que foi um dos fundadores) no dia 23 de Janeiro de 2016, durante um almoço de familiares e amigos que reuniu cerca de 80 convivas. A apresentar esteve o próprio editor, Carlos Fernandes.

Depois de referir a já notável obra escrita de Fernando Brites, o apresentador salientou justamente a sua «experiência muito significativa neste mester de escrever, até pelo hábito salutar de sempre tomar notas dos acontecimentos». Sem desvalorizar a sua produção global, considerou “Vozes no Charco” e “O último patamar” «trabalhos de muito mérito que valem por todos». Especialmente «porque são o fruto de uma vivência muito intensa e vibrante e a leitura atenta e lúcida dos acontecimentos».

História do Senhor Sisudo que sabia Tudo Tudo, com texto de Manuela Ribeiro e ilustrações de Nídia Nair, é o terceiro volume da colecção “Para os mais pequenos”. Tem 20 páginas e foi editado pela Textiverso no mês de Outubro de 2015.

As autoras fizeram uma primeira apresentação em Lisboa, no dia 12 de Dezembro de 2015, na Cabine de Leitura, à Praça de Londres.

Depois no dia 20 Dezembro, à tarde, foi em Leiria, no Espaço Eça (à Rua Direita), com a história a ser interpretada por Frédéric da Cruz P., do grupo Leirena Teatro.

O concelho de Porto de Mós está em destaque no 6.º volume dos “Cadernos de Estudos Leirienses” que foi lançado no dia 12 de Dezembro de 2015, justamente na Ecoteca de Porto de Mós e com a colaboração desta instituição e do próprio Município de Porto de Mós. Edição da Textiverso, este volume tem 502 páginas e dedica àquele concelho catorze trabalhos, para além de muitos outros que contemplam mais de metade do Distrito de Leiria, da Nazaré até Figueiró dos Vinhos.

Presentes, para além do editor, Eng. Carlos Fernandes, o coordenador científico, Professor Saul Gomes, o Presidente da Câmara de Porto do Mós, Eng. João Salgueiro, e o arqueólogo Mestre António Jorge Figueiredo.

Uma cidade: Lisboa.

Uma praça: de Londres.

Uma cabine: de leitura, anterior posto telefónico.

Um acontecimento: apresentação pública do mais recente livro infantil escrito por Manuela Ribeiro e ilustrado por Nídia Nair, com título «História do Senhor Sisudo que sabia Tudo Tudo» e edição Textiverso.

Um par de horas bem disposto ao início da tarde do sábado, dia 12 de Dezembro de 2015.

“O Pato Torquato e a Lata Amarela” foi o tema para um poema ilustrado e editado em postal, mas igualmente para uma aventura, com mapa de percurso e tudo, desenvolvidos no dia 28 de Novembro de 2015, à tarde, na Livraria Arquivo, em Leiria. Na mesa estiveram, para além da responsável da Livraria, Carla de Sousa (autora do texto), Nídia Nair (autora da ilustração) e ainda o Padre Gonçalo Diniz, Pároco da Sé de Leiria, em representação do Centro Paroquial e Social Paulo VI.