AGENDA

INSTALAÇÕES DA TEXTIVERSO

A Textiverso continua a manter o seu escritório em Leiria, com o seguinte endereço:

R. António Augusto Costa, n.4 

2415-398 Leiria

Telefone: 244 881 449

Telemóvel: 91 474 2273

 

BREVES

Outro livro da Textiverso no Plano Nacional de Leitura – Já está disponível a lista de livros do primeiro semestre de 2018 recomendados para o Plano Nacional de Leitura (PNL). Entre eles está mais um produzido pela Textiverso:
- Um mistério até ao fim, de Manuela Ribeiro, com ilustrações da capa e do miolo de Carmo van Damme.

Lá mais de trás já tínhamos outros livros recomendados pelo PNL:
- História que há de ser, de Manuela Ribeiro, com ilustrações da capa e do miolo de Nídia Nair.
- Diário de Ana Joana, 12 anos, 1,36 m de altura, de Raquel Ramos, com ilustração da capa de Gonçalo Viana; e
- A Plantinha dos meus Pais, de Manuela Ribeiro, com ilustrações da capa e do miolo de Nídia Nair.
E,
para o 2.º ano - Leitura Autónoma: O urso que perdera o coração, de Carlos Alberto Silva (texto e ilustrações), produção da Textiverso.

Visualizações de artigos
1530946

Temos 11 visitantes e 0 membros em linha


 

CHAMADA DE TRABALHOS

Revista Dobra n.º 6
Palavra-problema: Animal

Até ao dia 20 de Março de 2020 encontra-se aberto o prazo para envio de resumos e/ou propostas para o nº 6 da Revista Dobra, na forma de textos, imagens ou trabalhos multimédia, de acordo com os parâmetros definidos para as colaborações (vide COLABORAR − “Orientação aos Autores”).

A omnipresença do animal na cultura humana reconduz-nos às suas mais remotas origens, tendo homens e animais sido cúmplices, ao longo dos tempos, numa variedade surpreendente de relações mistas e interespecíficas, designadas por Dominique Lestel de comunidades híbridas (L’animal singulier, Paris, Seuil, 2004, p. 19). Desde as pinturas nas grutas de Chauvet, Lascaux, Altamira, nas rochas do Parque Nacional da Serra da Capivara e tantos outros lugares, atravessando a nossa relação com o mundo, tanto na nossa cotidianidade quanto na nossa história, chegando aos campos de concentração e calabouços totalitários da tortura, a ponto de deixar marcas decisivas em todas as áreas da vida, da criação e do pensamento, o animal tem-nos determinado, a nós e aos nossos projetos, atravessando tradições e áreas disciplinares, abrindo as nossas relações e os nossos modos de vê-lo e de nos ver.

O animal faz-se presente dos mitos à filosofia, da poesia à antropologia, da literatura à biologia e à zoologia, da música à ecologia, do sagrado às múltiplas ciências, das artes plásticas e intermediáticas à política, do cinema ao imaginário popular... Do tempo mítico ao nosso, os animais não deixaram de ser uma das intensidades mais assíduas pelas quais artistas, cientistas, pesquisadores e outros se depararam consigo, com eles e com a alteridade que lhes é constitutiva. (continuar a ler em http://www.revistadobra.pt/-chamada-de-trabalhos1.html).
 

VISITAR A REVISTA DOBRA