AGENDA

INSTALAÇÕES DA TEXTIVERSO

A Textiverso continua a manter o seu escritório em Leiria, com o seguinte endereço:

R. António Augusto Costa, n.4 

2415-398 Leiria

Telefone: 244 881 449

Telemóvel: 91 474 2273

 

BREVES

Visualizações de artigos
1609887

Temos 107 visitantes e 0 membros em linha

site larg 15 72 dpi

Delmar Clemente Serrano nasceu nos Barreiros, onde reside, em 1953. É engenheiro civil e, como formação complementar, entre outras, concluiu, na Universidade Católica de Lisboa, o Programa Avançado de Gestão para a Construção. Foi fundador da Tensor – empresa de construção civil – que liderou durante 23 anos. Foi Presidente da Comissão Diretiva da delegação da AECOPS do Distrito de Leiria – Associação Empresarial do Setor da Construção – e, posteriormente, Presidente da Mesa da Assembleia Geral da mesma Associação. Depois de cessar a sua atividade profissional, em 2011, dedicou-se à leitura e estudo da História, que sempre foi a sua paixão.

Conforme explicita o autor na sua «Introdução», «Os Grandes de Barreiros»­ foram — na década de 50 do século passado, em que decorre o núcleo da ação da «saga» reportada — o seu  Povo e o Comendador Joaquim Duarte Areia, o seu grande benemérito.

A obra tem, assim, das linhas de desenvolvimento temático que mutuamente se implicam: um, a história etnográfica e económica do povo dos Barreiros, contextualizada numa breve, mas pertinentíssima, reflexão sobre a história política e económica do Portugal da primeira metade do século XX; outro, a biografia, ricamente ilustrada com fotografias da época, do Comendador Joaquim Duarte Areia.

Do ponto de vista etnográfico, o autor descreve minuciosamente os elementos da Arquitetura Popular e suas funções, enquadrando-os nas vivências comunitárias da época contemplada. Com a finalidade de descrever o ethos local, retrata o quotidiano e as relações sociais, focalizando as questões da higiene, saúde e alimentação, o comércio, a consanguinidade, as crenças, as festas, os divertimentos, os casamentos, entre outros motivos e temas. É de assinalar, ainda, a descrição que faz das indústrias populares (olarias, lagares e moinhos) e do património cultural edificado nos Barreiros. Centrando-se no papel que o Povo e o Comendador tiveram, na década de 50, na eletrificação dos Barreiros e, de um modo muito especial, na pavimentação das suas ruas, o livro reúne uma assinalável correspondência que transporta o leitor a esses tempos, permitindo-lhe acompanhar, pari passu,  os factos e ocorrências nela referidos. Por fim, salientamos a importância da documentação imagética inserida na obra, fruto de uma cuidada pesquisa, que não só vem ampliar e/ou potenciar a capacidade de compreensão do objeto estudado, como constitui também uma ferramenta de valioso auxílio para o entendimento da dialética histórica envolvida.

A obra pode ser adquirida à Associação Desportiva e Recreativa dos Barreiros a quem o autor teve o benemérito e generoso gesto de oferecer todos os proveitos decorrentes da venda do livro.

Pela obra e pelo gesto, aqui lhe deixamos a nossa homenagem.

 André Camponês     (Coordenador editorial)

 

site fundo 72 dpi