Artigos relacionados

Na montra

massacre.jpg

 

Apresentado pela primeira vez na Marinha Grande, em 26 de Março de 2017, por ocasião das celebrações do centenário da restauração do concelho da Marinha Grande, foi agora a vez de ser apresentado em Leiria, no dia 28 de Outubro de 2017, na Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira, o livro “Elucidário do Pinhal do Rei”, da autoria de Gabriel Roldão. Como já havíamos referido por ocasião da apresentação em Março, este livro tem 768 páginas e é uma edição do autor, com produção da Textiverso.

 

A apresentação do livro nesta data não tem nada a ver com a catástrofe que se abateu no Pinhal no dia 15 de Outubro, mas acabou por constituir uma sessão simbólica em que, naturalmente, a questão da destruição do Pinhal, em mais de 80% da sua área, esteve sempre latente.

A acompanhar o autor, para além do moderador Dr. Víctor Santos, da Biblioteca, estiveram o fotógrafo Gonçalo Lemos, o editor e apresentador, Eng. Carlos Fernandes, e o Professor e botânico de renome Jorge Paiva (autor, em 2002, de “A Relevância do Património Natural”, uma edição da Câmara de Leiria em colaboração com a Quercus). E na plateia estiveram, entre outras personalidades, os Vereadores da Educação, Dra. Anabela Graça, e da Cultura, Dr. Gonçalo Lopes (vice-presidente da Câmara de Leiria), e ainda a Presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande, D. Cidália Ferreira.

Para além das intervenções dos diversos presentes, lamentando o desaparecimento do Pinhal num incêndio sem precedentes, o apresentador disse não pretender fazer da «sessão uma cerimónia de exéquias, sobretudo porque o livro em apreço não é, nem nunca pretendeu ser, um memorial fúnebre ou uma lápide saudosista.» E acrescentou:«Em face da catástrofe que destruiu o Pinhal e abriu uma ferida perigosa no sistema ecológico da região, esta apresentação assume-se, sim, como exercício de exaltação do poder regenerador da Natureza, matéria em que todos podemos colaborar, não só sendo mais assertivos na exigência – votando, participando, intervindo –, mas também estando mais atentos e sendo mais interessados. Se pagamos impostos e colaboramos como cidadãos preocupados, temos o direito de exigir aos poderes públicos o cumprimento das regras estabelecidas e a defesa do nosso património natural ou construído.» E deu depois circunstanciados pormenores sobre o conteúdo do livro, concluindo: «Gabriel Roldão deixa-nos, com este extenso e valioso trabalho, um instrumento de importância capital para a compreensão do Pinhal de Leiria e de toda a dinâmica que ele suscitou ao longo dos anos e que, ainda hoje, apesar dos dramáticos reveses, há-de constituir uma mais-valia para toda a região Centro do País.»