AGENDA

INSTALAÇÕES DA TEXTIVERSO

A Textiverso continua a manter o seu escritório em Leiria, com o seguinte endereço:

R. António Augusto Costa, n.4 

2415-398 Leiria

Telefone: 244 881 449

Telemóvel: 91 474 2273

 

BREVES

Outro livro da Textiverso no Plano Nacional de Leitura – Já está disponível a lista de livros do primeiro semestre de 2018 recomendados para o Plano Nacional de Leitura (PNL). Entre eles está mais um produzido pela Textiverso:
- Um mistério até ao fim, de Manuela Ribeiro, com ilustrações da capa e do miolo de Carmo van Damme.

Lá mais de trás já tínhamos outros livros recomendados pelo PNL:
- História que há de ser, de Manuela Ribeiro, com ilustrações da capa e do miolo de Nídia Nair.
- Diário de Ana Joana, 12 anos, 1,36 m de altura, de Raquel Ramos, com ilustração da capa de Gonçalo Viana; e
- A Plantinha dos meus Pais, de Manuela Ribeiro, com ilustrações da capa e do miolo de Nídia Nair.
E,
para o 2.º ano - Leitura Autónoma: O urso que perdera o coração, de Carlos Alberto Silva (texto e ilustrações), produção da Textiverso.

Visualizações de artigos
1480414

Temos 43 visitantes e 0 membros em linha

para o site nova banda 120dpi

A actividade editorial, como qualquer actividade humana, não é social ou politicamente neutra. Nas disciplinas de gestão de empresas, este fenómeno é abordado, embora de forma marginal, normalmente referindo-se às externalidades das empresas (efeitos no ambiente resultantes da sua actividade), sendo usualmente designado por «responsabilidade social» das empresas.

A responsabilidade de uma empresa editorial é bem maior do que normalmente se pensa. Assim, no que respeita à «responsabilidade social», defendemos que todas as actividades económicas se deveriam submeter a normas de um desenvolvimento humano sustentável, se bem que, a nosso ver, a própria definição de Desenvolvimento Humano Sustentável (DHS) proposta pelo Plano das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) ainda seja muito tímida e redutora. 

No nosso ADN consta a preocupação com o ambiente e a sobrevivência do planeta e pautamos a nossa atividade pela exigência de qualidade em detrimento da quantidade. O DHS (Desenvolvimento Humano Sustentável) não pode, porém, ter apenas as componentes económica e ambiental, deve ter uma forte componente cultural, aliás indissociável das primeiras. Assim, a promoção de um DHS não pode ser apenas uma proposta de novos modos de fazer e consumir no aspecto económico e ambiental, tem necessariamente de ter uma componente de novas formas de encarar a «produção» e «distribuição» de bens culturais, designações que propomos, desde já, substituir por «criação» e «fruição» de bens culturais.

Neste âmbito, não descurando todos os projetos em curso, que já concorrem para os desideratos acima referidos, colocámo-nos ao serviço de um novo projeto em três vertentes, intitulado «(I)materialidades - Etnografia e Património», com a sua primeira materialização em três publicações que aguardam um lançamento presencial.