AGENDA

INSTALAÇÕES DA TEXTIVERSO

A Textiverso continua a manter o seu escritório em Leiria, com o seguinte endereço:

R. António Augusto Costa, n.4 

2415-398 Leiria

Telefone: 244 881 449

Telemóvel: 91 474 2273

 

BREVES

Outro livro da Textiverso no Plano Nacional de Leitura – Já está disponível a lista de livros do primeiro semestre de 2018 recomendados para o Plano Nacional de Leitura (PNL). Entre eles está mais um produzido pela Textiverso:
- Um mistério até ao fim, de Manuela Ribeiro, com ilustrações da capa e do miolo de Carmo van Damme.

Lá mais de trás já tínhamos outros livros recomendados pelo PNL:
- História que há de ser, de Manuela Ribeiro, com ilustrações da capa e do miolo de Nídia Nair.
- Diário de Ana Joana, 12 anos, 1,36 m de altura, de Raquel Ramos, com ilustração da capa de Gonçalo Viana; e
- A Plantinha dos meus Pais, de Manuela Ribeiro, com ilustrações da capa e do miolo de Nídia Nair.
E,
para o 2.º ano - Leitura Autónoma: O urso que perdera o coração, de Carlos Alberto Silva (texto e ilustrações), produção da Textiverso.

Visualizações de artigos
1571216

Temos 72 visitantes e 0 membros em linha

Arrabal 3 números de frenteArrabal 3 números

A Textiverso orgulha-se de anunciar mais uma iniciativa de André Camponês (Fernando André Camponês), membro do conselho editorial e directivo  da Textiverso. Com Miguel Crespo, fundou, em Novembro passado, o Notícias do Arrabal, de que é director. Este novo Mensário Regional, de que já saíram três números,  é administrado Pela Associação Cultural e Recreativa Rancho Folclórico do Freixial.

Destacamos a menção que lhe é feita no número deste mês de Amormais:

.

Notícia no Amor mais

 

Trazemos aqui o «Editorial» do número inaugural, nas palavras de André Camponês:

A imprensa local tem desempenhado e continuará a desempenhar uma função social de extrema importância, dado que constitui um elo muito estreito entre cidadãos desta nossa comunidade, tornando-a mais informada e vinculada às suas raízes. O jornal Notícias do Arrabal é um mensário de informação local e regional, ao serviço do desenvolvimento da freguesia e do reforço da sua identidade histórico-cultural. Tem como vocação principal a prestação de um serviço de informação da atualidade local e regional, norteando-se pelos princípios deontológicos da imprensa e da ética profissional, não prosseguindo fins meramente comerciais, nem encobrindo ou deturpando a informação, num desrespeito pela boa fé dos leitores.

Para além desta importante função, pretende ser um meio de comunicação com forte relevância no que concerne à divulgação dos acontecimentos sociais e culturais, possibilitando o enriquecimento do arquivo cultural e histórico desta localidade e região. Numa lógica de reforço do sentimento de pertença, os conteúdos noticiosos a publicar no jornal serão vocacionados para o público alvo da informação, designadamente a comunidade arrabalense. Neste sentido, a missão do Notícias do Arrabal é garantir a proximidade entre o cidadão e a sua comunidade envolvente, viabilizando a interação das pessoas e a partilha de conhecimentos e interesses. De igual forma, sublinhamos o papel determinante que este meio de comunicação irá desempenhar na consciencialização dos cidadãos face à realidade política, social e económica que os rodeia. A este nível, pretende-se incentivar a autoconsciência interventiva e integradora, fundada nos valores de uma cidadania pró-ativa, e fomentar, por esta via, um maior sentido crítico, individual e coletivo, que possa contribuir para uma maior democratização dos processos de inclusão equitativa, de intervenção pública e de participação em melhores formas de vida.

Numa sociedade contemporânea, marcada pela mundialização e globalização – conceitos conotados com as noções de desenraizamento, homogeneização e perda da referência identitária –, o Notícias do Arrabal surge com o propósito de elevar o nome da freguesia e unir os seus naturais, residentes ou emigrantes. Face a estes desideratos e às múltiplas virtualidades que lhes estão subjacentes, disponibiliza-se um canal que permita à comunidade conscientizar as suas preocupações e problemas, valorizar e ver valorizada a sua experiência quotidiana, conhecer o seu património artístico e cultural e a sua memória histórica.