Artigos relacionados

twitter

Começo estas reflexões com um exercício de mea culpa por não conseguir deixar de sentir espanto ante o esmagador impacto das redes sociais. Trata-se da consequência (natural, dirão alguns) da democratização do acesso aos media e da banalização do voyeurismo social. Efetivamente, o vaticínio Warholesco da democratização da fama (os famosos «15 minutos de fama», passe a redundância) impõe-se, meio século mais tarde, em palcos diversos e por períodos de tempo mais alargados. As tardes televisivas em que se convida para subir ao palco o cidadão anónimo ávido de contar ao mundo o rol de desgraças que viveu, as temporadas de «Big Brother» ou de casamentos à primeira vista mais não são do que a venda da ilusão de que qualquer um pode tornar-se conhecido, logo, pode tornar-se uma pessoa importante ou uma figura pública (o que quer que isso signifique).

As redes sociais são outra vertente deste fenómeno de "dessacralização" dos media. São o palco daqueles que, não querendo ser convidados para os programas televisivos, criam os seus próprios canais para chegar ao público e terem visibilidade social. A facilidade com que o cidadão comum tem acesso a ferramentas que lhe permitem tele-difundir a sua pessoa, os seus familiares, o gato, o cão, o prato com comida, o prato sujo (ou qualquer disparate que lhe passe pela cabeça) não deixa de ter laivos de insanidade e gera um tsunami de poluição informativa que tem muitos lados negros.

Dir-me-ão que, à semelhança de toda e qualquer inovação tecnológica, há apenas bons e maus utilizadores e, esse facto, não põe em causa a valia da invenção.  É verdade, mas não posso deixar de sublinhar o potencial de perigo que subjaz à realidade das redes sociais. A “palavra” ganhou uma perigosa velocidade de disseminação. As novas formas de comunicar não são rastilhos de pólvora, mas sim radiações atómicas. A informação falsa circula à mesma velocidade e pelas mesmas rotas em que circula a informação verdadeira, sem qualquer triagem e com total impunidade. E isso é uma realidade absolutamente tenebrosa. Quem nos governa conhece esses fenómenos melhor do que ninguém. E se, por cá, onde tudo tem menores proporções ou se desenrola em moldes mais brandos, nos ficamos pela verificação da fiabilidade da informação (com polígrafos SIC), nos Estados Unidos o termo «fake news» tornou-se tão banal quanto o coffee-break.

Descontente com os media que (ainda) tentam averiguar a verdade dos factos, o Líder de uma das nações mais pujantes do mundo vai ao Twitter largar as maiores aleivosias e com a mesma facilidade com que aqui a Dona Miquelina descarrega no Facebook fotos de um prato de camarão. E, assim, Trump move-se como ninguém nestes terrenos de informação pantanosa dos nossos dias. Foi catapultado para a Casa Branca por uma lógica de Reality Show que deixou o mundo boquiaberto. Aplicou a mesma lábia, peito feito e postura de “manager” experiente (aqui chamar-lhe- íamos charlatão) à política nacional e internacional, deixando os analistas políticos incrédulos. Deturpou, ameaçou e mentiu com uma desfaçatez (e falta de educação) que deixou aturdidos os seus pares. E tudo isto para gáudio de uma percentagem (como vimos não negligenciável) dos eleitores americanos que rejubila por ver na Casa Branca alguém desta têmpera e com esta “garra”. Alguém que fala a mesma linguagem, alguém que usa os mesmos megafones (leia-se, redes sociais) para verbalizar as mesmas baboseiras que o John da esquina. «That’s amazing!»