Artigos relacionados

Na montra

Capa-nuvem.jpg

O auditório da Casa-Museu João Soares, nas Cortes (Leiria) foi o espaço escolhido para a apresentação do terceiro volume de “Re Cortes do jornal daí” (das Cortes), relativo a assuntos tratados no periódico entre 2007 e 2017, o que aconteceu na tarde do dia 29 de Abril de 2018. Edição do “Jornal das Cortes”, com 574 páginas, teve produção da Textiverso. Presentes na mesa a Vereadora da Educação da Câmara de Leiria, Dr.ª Anabela Graça, o representante da União das Freguesias de Leiria, Pousos, Barreira e Cortes, Luís Gaspar, o apresentador do livro e ex-redactor do jornal, Carlos Fernandes, e, naturalmente, a directora, Patrícia Gonçalves.

 

Dadas as boas-vindas pelas responsáveis da Casa-Museu, Lígia Norte e Rita Justino, a plateia assistiu então à entrada da directora do jornal envergando um longo vestido, concebido e admiravelmente confeccionado pelas senhoras do grupo Belidade com folhas do próprio jornal. O mesmo grupo produziu originais arranjos florais para decorar a sala e o salão paroquial onde, mais tarde, viria a decorrer um convívio.

Patrícia Gonçalves, “produzida em notícia”, saudou os presentes e sublinhou o significado da sessão, em especial a apresentação de um livro de 574 páginas com textos de mais de duas dezenas de colaboradores do jornal, a saber: Patrícia Gonçalves, Carlos Fernandes, Justino de Jesus Justino, Manuel Paula Maça, Luís Vieira da Mota, Vítor Cordeiro Gonçalves, Hermínio de Freitas Nunes, Saul António Gomes, Luís de Oliveira Neto, Antolifer, Anacleto Vieira Marques, Jorge Barradas, João José do Souto Rodrigues, Alda Gonçalves, Mapone, António Xavier Rodrigues Cordeiro, Heinrich Friedrich Link, Jorge Estrela, João Bautista de Castro, José António Lopes, Artur Lopes, Acácio F. Baptista, José Ribeiro Vieira, José Casimiro, Maria do Carmo Cordeiro da Silva, Joaquim Mirante Frazão, Manuel Mirante, Teodoro Rita, Pe. Jorge Guarda, José Antunes de Sousa, Jorge Carreira, Pedro Moniz, Carlos Alberto Silva, Júlia Moniz, Ricardo Charters d’Azevedo, Jaime Martins, António Borges da Cunha e Pe. Augusto Gonçalves. Assim se assinalou igualmente o 30.º aniversário daquele periódico fundado em Dezembro de 1987 pelas mãos de José Batista Bento da Silva e de Carlos Fernandes.

A apresentação do livro esteve justamente a cargo de Carlos Fernandes que foi quem seleccionou e organizou os textos. Fez questão de sublinhar que seleccionar textos de um jornal é sempre uma tarefa delicada, sobretudo porque implica uma apreciação. Mas essa apreciação, no caso vertente, não foi rigorosamente um juízo de valor – foi antes um critério que assentou num propósito: manter vivos, em livro, estudos ou considerações que se antevejam úteis para além da vida “útil” do jornal, que às vezes se guarda – e é eterna –, ou que vai para o lixo poucas horas depois de lido (ou não), com ele “morrendo” toda a informação que veiculava – e é a efémera vida das notícias ou dos estudos. Carlos Fernandes assumiu ser da sua responsabilidade essa apreciação e o que, por causa dela, se excluiu, naturalmente que não contemplando uma boa parte dos colaboradores do periódico.

E passou a referir com algum pormenor o conteúdo do volume, dividido em sete capítulos, a saber: História local, História regional, Eventos, Pessoas, Escritores, Opiniões e Vária.

Luís Gaspar interveio depois para se congratular pelos 30 anos do jornal e dar os parabéns à equipa pelo trabalho desenvolvido nestas três décadas, com especial relevo para o livro que ali se apresentava.

Falaram depois dois ex-directores do jornal, José Bento e Manuel Cruz (Rui Pessoa esteve ausente). José Bento historiou um pouco a fundação do jornal e alguns assuntos que o próprio jornal despoletou, como a fundação da Casa-Museu e a homenagem a José Marques da Cruz. Por sua vez, Manuel Cruz assumiu-se como um director de transição, tendo trabalhado com Patrícia Gonçalves que, finalmente, viria a ser a directora e a ter sobre si a responsabilidade redactorial e editorial do periódico, o que faz desde o n.º 350, de 07-01-2017.

Encerrou a sessão a Vereadora Anabela Graça que afirmou ser leitora do jornal desde há seis anos e muito apreciar a secção dedicada às escolas. Sublinhou também a abrangência do jornal e a variedade dos assuntos tratados, com especial ênfase na vertente cultural.

Da apresentação do livro na Casa-Museu os convivas deslocaram-se para o Salão Paroquial onde os esperava um excelente petisco oferecido por vários restaurantes e particulares da freguesia das Cortes. No final, cantaram-se os parabéns, Patrícia Gonçalves (directora) e Carlos Fernandes apagaram as velas e repartiu-se um excelente bolo, também oferta generosa.