Artigos relacionados

Na montra

capa-Manuscrito.jpg

No auditório dos Bombeiros Voluntários de Pataias foi lançado, no dia 3 de Agosto de 2018, o livro “Pataias e suas gentes”, da autoria de António Carvalho Gonçalves, Humberto de Sousa Santos e Turíbio da Encarnação Machado. Tem 374 páginas e foi patrocinado pela União de Freguesias de Pataias e Martingança, com produção da Textiverso. Presentes os autores, o Presidente da Junta, Valter Ribeiro, e o apresentador, Paulo Grilo.

 

Trata-se de uma importante monografia de Pataias, extensiva aos territórios hoje repartidos pelas freguesias da Martingança e da Moita. Isso mesmo referiu o apresentador, que fez várias considerações acerca desta obra depois de um pequeno período em que foram projectadas várias imagens da região da primeira metade do século XX. «Este é um livro que escreve, pela primeira vez, a nossa história, a história de Pataias, através de documentos históricos, das vidas das pessoas e da memória» – referiu, especificando depois as quatro vertentes do livro:

«Num destes grupos podemos encontrar as origens e a história do lugar e freguesia de Pataias. Da alegada doação de Alcobaça aos monges de Cister, dos forais de D. Dinis às Paredes, das memórias setecentistas ao século XIX, da evolução da freguesia através dos tempos. Encontramos ainda os diversos lugares da freguesia e a sua história.

Num segundo grupo, o contexto social: as profissões, as tradições, os costumes, as curiosidades, os conjuntos musicais. Uma visão sobre a freguesia desaparecida, do alfaiate ao lavrador, do tanoeiro à empalhadeira, do carreiro ao resineiro. Faltou o forneiro… Os conjuntos musicais, do “Conjunto Vaz” ao “Pingo Morango”, dos “Encarnadinhos” ao “Análise”. As tradições.

Num terceiro grupo: as pessoas. Quem, pelo critério dos autores, teve uma intervenção que ajudou a freguesia a ser um lugar diferente. Goste-se, ou não.

Finalmente, a reorganização do poder local e uma visão para o futuro.»

Concluiria dizendo que «esta obra é a mais recente, mas será a partir de hoje a primeira e fundamental referência da nossa história e das nossas gentes».